Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Covid-19: Um milhão de doses de reforço já administradas em Portugal


sexta, 26 novembro 2021

Portugal já administrou um milhão de doses de reforço da vacina contra a covid-19, assim como cerca de 1,8 milhões de vacinas contra a gripe, adiantou hoje a Direcção-Geral da Saúde (DGS), que antecipa uma aceleração na vacinação.
“No dia de ontem [quinta-feira], 25 de Novembro, foi possível administrar mais de 110.000 vacinas no país, das quais cerca de 60.000 doses de reforço da vacina contra a covid-19 e mais de 50.800 vacinas contra a contra a gripe (4.177 em farmácias) ”, lê-se no comunicado da DGS.
A nota acrescenta que “em virtude do aumento do número de elegíveis para a dose de reforço da vacina contra a covid-19, que ronda agora 1,8 milhões de pessoas com 65 ou mais anos, haverá uma intensificação do ritmo de vacinação nos próximos dias”.
A DGS, que reforça o apelo à vacinação quer contra a gripe, quer contra a covid-19, recorda que este fim-de-semana, de 27 e 28 de Novembro, os centros de vacinação do país vão estar abertos “para vacinar pessoas convocadas através de agendamento central e local, na sua capacidade máxima”.
“Os centros de vacinação estão a trabalhar para que o processo seja fluído e célere, mesmo com grande afluência, apelando à melhor compreensão dos utentes face a eventuais constrangimentos pontuais que possam ocorrer”, lê-se no comunicado.
A vacinação contra a covid-19 evitou em menos de um ano a morte de quase meio milhão de pessoas com 60 ou mais anos em 32 países europeus, incluindo Portugal, estima um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgado na quinta-feira.
A Comissão Europeia anunciou hoje que o terceiro contrato celebrado com o consórcio Pfizer/BioNTech inclui doses suficientes de vacinas anti-covid para reforçar a vacinação e também para a imunização de crianças entre os 05 e os 11 anos.
A imunização de crianças em Portugal a partir dos 05 anos está dependente do parecer favorável da comissão técnica de vacinação.