Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Covid.19: Levantamento de patentes de vacinas é claramente insuficiente


segunda, 10 maio 2021

O presidente da República defendeu hoje que o levantamento das patentes das vacinas contra a covid-19 é "claramente insuficiente", salientando que "é mais urgente" aumentar a produção e exportação de doses daquela solução de combate à pandemia.
"Isto é uma corrida contra relógio, portanto, temos que garantir que quem já está a fabricar ou a começar a fabricar, fabrique muito mais e exporte, só assim se resolve em tempo o problema. É mais urgente produzir já quem pode produzir, exportar já aquilo que não utiliza. É mais eficaz e mais urgente", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em Esposende, no distrito de Braga, à margem de uma visita à Loja Social.
Para o chefe de Estado, "é preciso ir à questão de fundo" e essa questão vai mais além do que o levantamento das referidas patentes.
"Como disse o papa Francisco, e muito bem, deve haver um acesso universal, isto é, de todos, do maior número de pessoas às vacinas. Eu acrescentaria universal e igual. É preciso garantir a qualidade das vacinas, ou às tantas há acesso universal mas nuns casos a vacinas de 1ª 2ª ou 3ª categoria e noutros de 5ª, 6ª, 7ª categoria", apontou.
Por isso, afirmou, "o levantamento de patentes pode ser uma hipótese mas é insuficiente, claramente insuficiente porque o levantamento de patentes só por si não resolve o problema do processo de fabrico nem do começo da fabricação".
Marcelo Rebelo de Sousa mostrou ainda estar de acordo com a posição da União Europeia face ao desafio lançada pelos Estados Unidos da América para que seja feito o levantamento das patentes da vacina contra a covid-19.
"Como estamos a falar de uma realidade que é para amanhã, eu acho que a União Europeia esteve bem quando convidou os Estados Unidos da América a dar o exemplo, que eu acho que os países europeus têm de dar o exemplo, e têm dado, que é produzirem mais e exportarem mais", disse.
"Temos que garantir que quem já está a fabricar ou a começar a fabricar, fabrique muito mais e exporte, só assim se resolve em tempo o problema", terminou.