Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

António Costa critica falta de poderes da EMA e pede que se defenda do plano de vacinação


Friday, 09 April 2021

O primeiro-ministro lamentou hoje a ausência de uma posição comum europeia sobre a vacina da AstraZeneca, defendeu poderes reforçados para a Agência Europeia do Medicamento (EMA) e advertiu que não se deve colocar em causa a vacinação.
Estas posições foram assumidas por António Costa no final de uma visita ao Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), em Lisboa, em que esteve acompanhado pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, depois de questionado se vai tomar a segunda dose da vacina da AstraZeneca.
António Costa disse que vai seguir as indicações médicas e espera tomar a segunda dose de uma vacina contra a covid-19 no dia 10 de Maio.
"No âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, a ministra da Saúde, Marta Temido, promoveu uma reunião com todos os homólogos e com a Comissão, tendo em vista uma posição conjunta de todos os Estados-membros. Tenho muita pena que não tenha sido possível haver essa posição comum [em relação à vacina da AstraZeneca], porque isso reforçava a confiança de todos", disse o líder do executivo.
Perante os jornalistas, o primeiro-ministro advertiu que terão de ser introduzidos "ajustamentos" no plano de vacinação nacional, já que poderão "sobrar algumas doses da vacina da AstraZeneca enquanto se mantiverem as atuais contra-indicações".
"Devemos ter confiança nas instituições e seguir as instruções", declarou, antes de criticar a falta de integração de competências da União Europeia na área da saúde.
"O que está a acontecer é um bom exemplo de como tínhamos toda a vantagem no sentido de integrar competências na União Europeia, porque a EMA dispõe de muito maior informação do que qualquer um dos Estados-membros. E quanto maior for a informação melhor é a qualidade da decisão a tomar", sustentou.
Nesse sentido, António Costa referiu que a União Europeia deve retirar algumas "lições" do que se está a passar no presente e que "importa reforçar as competências da EMA" a prazo.
"Caso contrário, então também não faz sentido a existência desta agência europeia, sobretudo se decide uma coisa e, depois, cada Estado-membro pode fazer o que quiser de forma diversa. Apesar de tudo, no caso da AstraZeneca, há uma tendencial convergência em torno de uma faixa etária, com restrições abaixo dos 60 anos", observou.
Segundo o primeiro-ministro, na actual conjuntura de pandemia de covid-19, "é fundamental não interromper, ou colocar em causa, o processo de vacinação, porque é mesmo a única forma de combater de forma eficaz" a doença.