Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Jovem em greve de fome por falta de apoio depois do fogo ter destruído casa


Helena Amaro / Foto: Luís Filipe Coito sexta, 05 abril 2019
O fogo de Outubro de 2017 roubou-lhe o “paraíso” e, desde então, Tatiana Sousa tem vivido um “inferno”, à espera de ajuda para reerguer-se das cinzas. Hoje, começa uma greve de fome em frente à residência oficial do Presidente da República, o Palácio de Belém, em Lisboa, para tentar o que dezenas de cartas não conseguiram em ano e meio.“Tínhamos um paraíso que se tornou num inferno”, contou a jovem, que pede apoio para recuperar dos danos provocados pelas chamas.Tatiana Sousa, de 24 anos, natural de Martingança, concelho de Alcobaça, comprou um terreno em Vieira de Leiria, concelho da Marinha Grande, em 2014. Aos poucos, com o seu companheiro, foram construindo uma quinta biológica, com animais, um poço e painéis solares. No dia 15 de Outubro de 2017 temeu pela sua vida e da família. Com uma menina de dois anos e grávida de oito meses, Tatiana Sousa fugiu das chamas, que entraram na propriedade pelo quarto das filhas. O companheiro, Artur Costa, ainda tentou salvar o que podia, mas a força do vento e do fogo acabaram por consumir grande parte da propriedade.Morreram animais, os painéis solares foram destruídos, parte da habitação ficou destruída, assim como a estufa, viaturas, equipamentos, entre outros objectos, num prejuízo que pode chegar a milhares de euros. Até Janeiro deste ano, moravam na parte da habitação que não ficou destruída, valendo-se de geradores, uma vez que não tinham luz ou água quente, mas a situação tornou--se insustentável financeiramente. É graças a uma família na Batalha, que prestou ajuda desde o início, que Tatiana Sousa tem tido um tecto para morar.
Leia a notícia completa na edição em papel.

Diários Associados