Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Boris Johnson promete relançamento económico ‘rooseveltiano’


segunda, 29 junho 2020

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, elegeu hoje como inspiração o antigo Presidente dos EUA Franklin D. Roosevelt para a sua estratégia de relançamento da economia do Reino Unido afectada pela pandemia covid-19. “Acho que este é o momento de uma abordagem 'Rooseveltiana' no Reino Unido”, afirmou hoje Johnson à Times Radio, num referência ao “New Deal” implementado durante a Grande Depressão da década de 1930, marcado pela intervenção do Estado e projectos de obras públicas para estimular a economia.
O primeiro-ministro falava na véspera de um discurso em que deverá anunciar um programa de investimentos maciço em infra-estruturas no país.
Durante a campanha eleitoral em Dezembro, Boris Johnson já havia prometido injectar milhões nos serviços públicos. "O que vamos fazer nos próximos meses é reforçar o nosso programa inicial, que era focado em investimentos, em infra-estruturas, educação, tecnologia, para reunificar o país", afirmou o líder conservador.
Este programa inclui, nomeadamente, um plano de reconstrução escolar dotado de mil milhões de libras (1.100 milhões de euros). O ministro das Finanças, Rishi Sunak, deverá apresentar um orçamento no outono, disse Boris Johnson, garantindo que não vai haver um regresso à austeridade que marcou os últimos 10 anos do Partido Conservador no poder, iniciados quando David Cameron era primeiro-ministro.
O confinamento decretado para conter a pandemia da covid-19 resultou numa queda de 20,4% no Produto Interno Bruto (PIB) britânico apenas em Abril, um recorde histórico.
Sem apoio estatal, a taxa de desemprego poderá atingir níveis nunca vistos desde os anos 1980, superando o pico de 3,3 milhões registados em 1984, noticiou o jornal o Observer no domingo, citando uma análise dos serviços parlamentares. "Eu penso que as pessoas sentem instintivamente que vai ser difícil. Assistimos a uma grande queda no nosso PIB e todos percebem que vão haver tempos difíceis, mas o Reino Unido é uma economia incrivelmente dinâmica e resiliente e vamos ultrapassar isto muito bem”, garantiu.