Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

O Diário de Coimbra faz hoje 90 anos


domingo, 24 maio 2020

Fundado em 1930, o Diário de Coimbra assinala hoje 90 anos de existência. Um caso raro de longevidade no sector. É o mais antigo jornal diário em Portugal que se mantém na propriedade da família do seu fundador e um dos mais antigos da Europa.
Numa mensagem enviada ao jornal, a propósito do seu aniversário, o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recorda Adriano Lucas e destaca o papel de resistência do Diário de Coimbra: “Um grande abraço de parabéns, evocando Adriano Lucas. Estivemos juntos na primeira Lei da Imprensa em Democracia e sobretudo evocando o vosso papel, de resistentes. Num tempo de crise. Resistentes por aquilo que é fundamental. Não é apenas o poder local, o poder regional. É o que é um pilar do Estado de direito no nosso país. Uma Imprensa forte, uma Imprensa isenta e uma Imprensa independente. Estarei sempre ao vosso lado como tenho estado desde o início do meu mandato”.
Fundado por Adriano Viégas da Cunha Lucas (1883-1950), o Diário de Coimbra foi liderado por Adriano Mário da Cunha Lucas (1925-2011) durante cerca de seis décadas, período durante o qual fundou os Diário de Aveiro, Diário de Viseu e Diário de Leiria. Em editorial publicado hoje, Adriano Callé Lucas e Miguel Callé Lucas abordam os “momentos de angústia” que se vivem actualmente. “A pandemia paralisou a nossa economia e a queda abrupta de publicidade, a partir do passado mês de Março, coloca seriamente em risco a sobrevivência do Diário de Coimbra, bem co­mo de todos os jornais livres e independentes, que, como nós, vivem exclusivamente das receitas provenientes da publicidade e da venda de jornais (aos assinantes e na banca), não dependendo do Estado nem de quaisquer grupos políticos ou económicos para lhes pagarem as contas”, escrevem, lançando um apelo aos leitores e anunciantes: “Tudo faremos para que o Diário de Coimbra continue na sua missão de informar, em defesa das populações de Coimbra e das Beiras, mas o jornal também necessita agora, urgentemente, para conseguir ultrapassar esta fase tão difícil, de um redobrado apoio dos seus leitores e anunciantes, a quem apelamos para fazerem novas assinaturas do jornal e mais inserções publicitárias aos seus produtos.
Neste contexto tão desafiante para todos, as prioridades que cada um de nós tem relativamente ao que considera essencial salvaguardar, reflectem-se nas escolhas de consumo e de investimento que diariamente fazemos. Acreditamos que o jornalismo independente é essencial para que cada pessoa tenha livre acesso à informação e para que as sociedades democráticas e pluralistas em que vivemos possam subsistir. Tal como aconteceu no passado, lutaremos para tentar superar esta crise e sobreviver. Os cidadãos precisam (ainda mais) de informação credível e útil e as empresas precisam de promover os seus negócios.
Juntos vamos assim honrar estes 90 anos de história e tudo fazer para assegurar que as gerações vindouras poderão continuar a ter uma referência de confiança na sua região.
A Liberdade de Imprensa está seriamente ameaçada mas não vamos ceder. Com apoio dos leitores e anunciantes, vamos lutar para garantir a manutenção deste bem tão precioso para uma sociedade que se deseja livre, desenvolvida e democrática”. |

Leia a notícia completa na edição em papel.