Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Covid-19: Porto de Mós encerra capelas e cemitérios


foto: DR sexta, 03 abril 2020

A Câmara Municipal de Porto de Mós decidiu encerrar os cemitérios municipais, as capelas e casa velório, ficando interditados os velórios. Em comunicado, a autarquia esclarece que as medidas surgem no seguimento das recomendações da Direcção-Geral de Saúde.
Assim, serão mantidas apenas as operações de inumação com suspensão da marcação de exumações e transladações.
“Os Cemitérios Municipais de Porto de Mós serão encerrados ao público, excepto aos
agentes funerários, familiares e amigos dos participantes nas cerimónias de inumação (enterramentos) agendadas e que se mantêm”, esclarece o município.
Por outro lado, “os serviços administrativos do município estão autorizados a atender e agendar apenas pedidos de inumação devidamente instruídos pelos agentes funerários, apenas pelos canais telefónicos e digitais”, alerta o município, acrescentando que “apenas podem acompanhar o funeral até ao destino final, os familiares mais próximos, até ao limite máximo de 10 pessoas, recomendando-se o uso de máscara”.
“Será encerrada a Capela do Cemitério e qualquer utilização da mesma”, e “nenhum caixão funerário poderá ser aberto dentro do espaço cemiterial, no âmbito da realização de funerais e cremações, por exemplo para a realização da despedida”, informa a Câmara.
A autarquia aconselha que as pessoas dos grupos mais vulneráveis (crianças, seniores, grávidas e pessoas com imunodepressão ou com doença crónica) “não participem em funerais”, devendo “ser mantidas as distâncias de segurança entre os trabalhadores do cemitério e o grupo de acompanhantes e agentes funerários”.
“Nas inumações os trabalhadores do cemitério devem ser afastados, aproximando-se apenas para baixar a urna e colocar na terra”, devendo ainda “usar os Equipamentos de Protecção individual previstos para estes procedimentos, nomeadamente equipamentos que protejam os olhos (óculos de protecção), a boca e o nariz (máscara) e as mãos com luvas descartáveis, que previnem a possibilidade de transmissão do vírus a partir de objectos contaminados”.
“Independentemente da utilização de luvas, os trabalhadores do cemitério devem de
imediato proceder sempre à lavagem de mãos e rosto após a operação”, e “os balneários e áreas comuns dos trabalhadores do cemitério devem ser devidamente higienizados”, conclui a Câmara.

Diários Associados