Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Amazónia: Argentina e Chile oferecem ajuda ao Brasil e Bolívia para combater fogos


sexta, 23 agosto 2019

Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Chile, Sebastián Piñera, disseram, através das redes sociais, que telefonaram para o homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, oferecendo ajuda especializada para combater os incêndios na Amazónia. No final da noite de quinta-feira, o presidente argentino, Mauricio Macri, revelou ter conversado com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, para se informar da situação dos incêndios e para pôr “à disposição do Brasil e da Bolívia a cooperação argentina”. "O nosso sistema de emergência encontra-se à disposição do Brasil e da Bolívia. Comuniquei com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Estamos comprometidos a ajudar os nossos vizinhos a combater os incêndios florestais", publicou Mauricio Macri nas redes sociais.

Mauricio Macri disse estar "alarmado e comovido" com os incêndios, especialmente no Brasil. "Estou alarmado e comovido com os incêndios na Amazónia brasileira. Os incêndios são devastadores doem-nos, preocupam-nos e tornam urgente a nossa cooperação", publicou o presidente argentino.

O presidente chileno, Sebastián Piñera, também confirmou ter conversado com o brasileiro, Jair Bolsonaro, e com o boliviano, Evo Morales, para lhes oferecer ajuda. "Ofereci colaboração a Bolsonaro para ajudar o país irmão e amigo a combater com maior eficácia e força os graves incêndios florestais que afectam a Amazónia", disse Sebastían Piñera.

Horas depois, informou nas redes sociais que "também falou com o presidente da Bolívia, Evo Morales, para lhe oferecer colaboração". Esta disponibilidade para a Bolívia ajudar tem ainda mais peso porque os dois países mantém uma tensa e distante relação, devido a disputas territoriais.

A situação na Bolívia também é devastadora: 744 mil hectares e 1.817 famílias que vivem na região de Chiquitania, no leste do país, foram já atingidas pelo fogo. A Venezuela que também tem floresta amazónica ofereceu a sua "modesta ajuda" no combate aos incêndios. O governo de Nicolás Maduro expressou "profunda preocupação" com a situação na região.

O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de Agosto, sendo a Amazónia a região mais afectada.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Especialistas advertem que os incêndios quebram o ciclo natural da água e das chuvas, ameaçando os rios tanto da bacia amazónica quanto da bacia do Rio da Prata que divide Argentina e Uruguai.