Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Congregações católicas pedem perdão e prometem estar mais atentas aos abusos


terça, 19 fevereiro 2019

Congregações e ordens católicas masculinas e femininas prometeram hoje “fazer todos os possíveis para escutar melhor as vítimas” de abusos e implementar as directivas que deverão sair da cimeira que começa na quinta-feira, no Vaticano. O comunicado conjunto foi emitido pela União Internacional das Superioras Gerais (UISG), uma organização internacional de Superioras Gerais das Congregações religiosas canonicamente aprovadas, e pela União dos Superiores Gerais (USG).

Na nota as congregações reconhecem “humildemente que nem sempre” actuaram correctamente nos casos de abusos. A posição conjunta foi tornada pública a dois dias do início da cimeira histórica no Vaticano, que reunirá até domingo os presidentes de todas as conferências episcopais do mundo, representantes de congregações homens e dez mulheres, chefes de vários dicastérios (ministérios do Vaticano) e especialistas. "Curvamo-nos com vergonha quando percebemos que esses abusos ocorreram nas nossas congregações e ordens e, na nossa igreja, aprendemos que os agressores ocultam deliberadamente as suas acções e são manipuladores", escreveram.

As duas uniões de congregações masculinas e femininas acrescentam: "a nossa vergonha aumenta por não termos percebido o que estava a acontecer".

Lamentam ainda o facto de a resposta não ter sido a adequada e de não terem conseguido ver os sinais de alerta.

Relativamente à cimeira, embora considerem que "uma reunião de três dias é pouco tempo”, consideram que pode servir "para iniciar processos importantes e criar estruturas para a prestação de contas, bem como sustentar os processos e estruturas que já existem". "Da nossa parte, prometemos fazer tudo que estiver ao nosso alcance para ouvir os sobreviventes, reconhecendo humildemente que nem sempre o fizemos", acrescentam.

Os dois organismos das congregações de homens e mulheres também prometem implementar "tudo o que for decidido durante a reunião em relação à responsabilidade exigida às pessoas com autoridade". Por outro lado, asseguram que irão integrar programas para a protecção de menores e adultos vulneráveis e que desenvolverão programas especiais para acompanhar qualquer pessoa, vítima de abuso, que deseje encontrar ajuda.

Na posição conjunta admitem que o clericalismo que existe nos seus centros "deu origem à lealdade injustificada, a erros de julgamento, a lentidão em agir, a negar os factos e às vezes a encobri-los". "Queremos mudança. Queremos agir com humildade. Queremos identificar os nossos pontos fracos. Denunciamos qualquer abuso de poder. Estamos comprometidos a andar com aqueles a quem servimos, avançando com transparência e confiança, honestidade, sinceridade e arrependimento", acrescentam.