Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

“Penso que podemos vencer todas as competições”


Redacção (texto)/FPB-SPORTFLASH (foto) quarta, 13 fevereiro 2019

Norberto Alves e José Barbosa, respectivamente treinador e capitão de equipa da Oliveirense, ainda na “ressaca” da inédita conquista da Taça Hugo dos Santos, revelaram esta segunda-feira o segredo de mais um êxito e assumiram que, agora, o principal objectivo é a renovação do título nacional, mas sem esquecer a Taça de Portugal. Para erguer a Taça Hugo dos Santos, a Oliveirense deu, mais uma vez, mostras de toda a sua qualidade, derrotando os crónicos candidatos: no sábado, a formação de Oliveira de Azeméis bateu o FC Porto, nas meias-finais, por 86-82, e no domingo superou, na final, o Benfica, por 77-70, num embate em que entrou em “grande”, terminando o primeiro parcial com 21 pontos de vantagem (30-9). Um título inédito para o clube, jogador e treinador - depois da conquista do campeonato do ano passado, e da Supertaça já esta época.

No próximo sábado, oliveirenses e “águias” encontram-se novamente, para discutir o primeiro lugar da fase regular do campeonato, numa altura em que ambos somam 33 pontos. Norberto Alves admitiu que há outras equipas que se podem intrometer na renovação do título, nomeadamente FC Porto, Vitória de Guimarães e Ovarense, mas não esconde a vontade de querer conquistar tudo este ano, contrariando, desde o ano passado, a “lógica” de que sejam necessários muitos recursos para vencer. Se continuarmos na mesma forma e tivermos sorte com as lesões, penso que podemos vencer todas as competições". Já José Barbosa confirma que um dos “segredos” do êxito é o espírito colectivo e assume que o balneário “é estranho”, mas por “boas razões”. Qualifica-o como “intocável”, apesar das poucas derrotas que a equipa sofre não darem para, verdadeiramente, “testar o balneário”. Contudo, o “capitão” prefere ver a situação pelo lado oposto. “Poucas vezes perdemos, porque o balneário é intocável".

Leia a notícia completa na edição em papel.