Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Taça de Portugal/meia-final: Aves joga segunda mão no Caldas com vantagem de um golo


texto: com Lusa / Foto: DR quarta, 28 fevereiro 2018

O Desportivo das Aves, da I Liga, colocou hoje um pé na final da Taça de Portugal de futebol, ao vencer 1-0 o Caldas, do Campeonato de Portugal, em jogo da primeira mão das meias-finais da prova. A vantagem apertada de um golo, que surgiu através da marcação de uma grande penalidade, apontada por Nildo Petronilha, aos 32 minutos, deixa tudo em aberto para o segundo jogo, desta feita no Campo da Mata, nas Caldas da Rainha. 
Em Vila das Aves, a partida até se iniciou bastante equilibrada, com uma ligeira vantagem para os visitantes, que, nos primeiros minutos, estiveram perto de marcar. O primeiro sinal aconteceu aos dois minutos, altura em que Ryan rematou de pé esquerdo à baliza de Quim, tendo a bola saído ligeiramente ao lado. Pouco tempo depois, aos 13 minutos, Pedro Emanuel isolou-se em frente à baliza, tendo apenas Quim pela frente, mas o veterano guardião levou a melhor com uma boa defesa. No entanto, o avançado do Caldas estaria em posição irregular na altura do remate. Depois dessa pressão inicial, o Desportivo das Aves começou a ganhar terreno e a preencher os espaços com lacunas. O primeiro golo da formação da casa poderia ter acontecido aos 25 minutos, através de uma grande penalidade. O árbitro entendeu que um jogador do Caldas fez um corte de carrinho fazendo falta, e após recorrer ao VAR confirmou a decisão assinalando o castigo máximo. O lance, no entanto, suscitou grandes dúvidas. Paulo Machado foi chamado a converter, mas Luís Paulo adivinhou o lado do remate e defendeu, negando o golo. Cinco minutos depois o árbitro voltou a assinalar nova grande penalidade, desta vez por uma carga de Luís Paulo sobre Derley. Nildo não desperdiçou a oportunidade e fez o golo da equipa avense. O golo trouxe um novo ânimo ao Aves, que passou a dominar por completo o encontro, falhando apenas na finalização. 
Aos 39 minutos, Derley teve nos pés a oportunidade de fazer o segundo, mas a pontaria não esteve afinada. Nildo aproveitou uma saída de Luís Paulo para o tentar surpreender com um 'chapéu', a bola sobrou para o avançado, que rematou ao lado.
No segundo tempo, a formação comandada por José Mota manteve a superioridade, mas também a ineficácia de concretizar os lances de perigo em golo. O Caldas ainda reclamou uma grande penalidade, por mão na grande área adversária, castigo que não foi atendido, mesmo depois de árbitro recorrer ao VAR, o que gerou protestos da equipa visitante e dos mais de mil adeptos que apoiaram o Caldas na Vila de Aves.
No final, a festa foi feita pelos cerca de mil adeptos do Caldas, que, juntamente com a equipa e apesar da derrota, celebraram a presença nas meias-finais, algo inédito na história do clube, bem como o facto de ainda estar tudo em aberto em relação à presença na final da prova. O Desportivo das Aves e o Caldas disputam a segunda mão das meias finais da Taça de Portugal de futebol no dia 18 de Abril.