Jornal defensor da valorização de Aveiro e da Região das Beiras
Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Um palco cheio de livros e outras ideias para chamar gente ao CETA


Rui Cunha domingo, 02 abril 2017
“Um conto para as onze” e “Música para as cinco” são as duas novas iniciativas do Círculo Experimental de Teatro de Aveiro (CETA), a primeira com início marcado já para hoje. Com “Um conto para as onze”, todos os primeiros domingos de cada mês (11 horas) o palco vai encher-se de livros e contadores de histórias. 21 de Maio marca a estreia de “Música para as cinco”, para apoiar a divulgação de grupos locais. “Gostaríamos de habituar os aveirenses a virem ao CETA todos os meses, não só para assistirem ao teatro mas também a outras formas de arte”, diz Romena Laranjeira, presidente da companhia, em entrevista ao Diário de Aveiro “Um conto para as onze” é a nova proposta do CETA para o público local. Como surgiu este projecto? Esta era uma ideia partilhada por vários actores ligados à nossa casa, que esteve a amadurecer durante algum tempo. Com a formação da nova direcção, e com a vontade de dinamizar o CETA de forma a trazer mais gente miúda, resolvemos avançar com a ideia de todos os primeiros domingos de cada mês termos alguém a contar histórias. Coincidência ou não, iremos dar início a esta actividade no Dia Mundial do Livro Infantil… Quais são as vossas expectativas para esta actividade? Queremos formar novos públicos, queremos que venham ao CETA não só para ouvir, para descobrir, mas também para coexistir uma reciprocidade de troca de saberes. Como dizia Manoel de Barros, “com certeza a liberdade e a poesia a gente aprende com as crianças”.
Leia a notícia completa na edição em papel.